Um Geólogo e por muitos anos também coordenador da Defesa Civil de Registro, a frente da Diretoria do Vale do Ribeira – Ney A. Ikeda.

29/02/2016 às 14:28 | Publicado em Defesa Civil, Memoria Servidor, Sudelpa | Deixe um comentário
Tags:

fotos celular 2014 780Em uma visita de trabalho a unidade da BRB/Registro,  aproveitamos para entrevistar o Diretor da Unidade: Ney Akemaru Ikeda.

Ney é geólogo e iniciou sua vida profissional como muitos outros técnicos, em 1977, na antiga D.P – Diretoria de Planejamento – Área de Águas Subterrâneas, fazendo seu estágio.  Nesta época atuou com Zeca (José Eduardo Campos atualmente no DRH), na área de pesquisa e perfuração de poços.

Esta área segundo ele é a mentora do setor de águas subterrâneas, atualmente sob a responsabilidade da DPO – Diretoria de Procedimentos de Outorga.

Após o término do estagio, foi contratado pelo DAEE para estudar e atuar no Projeto Juquiá – um projeto muito importante de captação de águas. Nesta época se previa através deste projeto a viabilidade de Juquiá prover água para São Paulo, os técnicos encarregados e mentores do projeto eram: Dr. Flavio Barth, Dr. Hiroaki Makibara, Dr. Eliseu Itiro Ayabe, Dr. Luiz Fernando Carneseca (Atualmente Diretor da SAR), Silvio Giudice (atualmente na DEO) e Luís Roberto Moretti (atualmente Diretor da BMT), alias todos técnicos renomados que escreveram (e escrevem) boa parte da historia da Autarquia.

Nesta época era morador de Capão Bonito, perto de Itapetininga. Seu pai comerciante era morador do Vale do Ribeira – Registro desde a década de 60.

Foi estudante universitário da UNESP – Rio Claro, período no qual fez estagio no DAEE,  participando de trabalhos referentes à parceria Sabesp/Cesp/DAEE

Depois veio trabalhar em Itatinga, na parte de geologia, geotécnica, avaliação de campo (Projeto Juquiá) e pesquisas de centrais hidrelétricas.

A partir de 1984, coincidindo com seu casamento, veio atuar como geólogo na Unidade de Registro. Na época a unidade contava com 130 servidores.

A partir de 1986 com a descentralização, mudança de governo e a concepção das Diretorias por Bacias, ocorreram grandes mudanças em todas as sedes do DAEE, e inclusive nas atribuições da Autarquia.

A partir de 1990 passou a ser o Diretor da Unidade, que atende 23 município, entre as quais Registro, Pariqueraçu, Iguape, Cananéia, etc.

As cidades sob a responsabilidade desta bacia, estão em locais bem distantes Continue Reading Um Geólogo e por muitos anos também coordenador da Defesa Civil de Registro, a frente da Diretoria do Vale do Ribeira – Ney A. Ikeda….

Um servidor (e pescador) do Vale do Ribeira, muito grato ao DAEE pelo que conquistou: Paulo Toshio Maebara.

25/11/2014 às 16:06 | Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário
Tags: , ,

Depois de muito tempo sem matérias, conseguimos com muito custo, entrevistar um servidor muito carismático e responsável que atua na região do Vale do Ribeira: Paulo Toshio Maebara.

Admitido no DAEE em 03/05/1976, iniciou suas atividades como Auxiliar de Engenheiro.

Sua primeira atividade profissional foi na área de Obras, no Atendimento aos Municípios, antigo Grupo Tarefa, muito “famoso” pelo importante papel que exercia na época, acompanhamento das obras do Polder Registro I e II e Obras da Barragem do Valo Grande em Iguape.

Veio parar no DAEE, através do convite de outro servidor e amigo: João Alberto Perez Teotônio, cujo apelido: Mandi (ver matéria neste blog) também Auxiliar de Engenheiro, que já se encontrava no DAEE de Registro. Este o incentivou a vir ao DAEE. Hoje Mandi trabalha na Bacia do Baixo Tietê na cidade de Novo Horizonte.

Maebara e Mandi foram colegas no Colégio Agrícola onde efetuaram o curso de Técnico Agrícola na cidade de Jacareí. O primeiro superior de Maebara foi o Eng.º Souji Gozi e teve como Diretor da Regional o saudoso Engº Luiz Ken Itiro Shibata.

Chegando ao DAEE com curso médio (Técnico agrícola), teve que correr para iniciar logo um curso superior. Na região do Vale do Ribeira só havia uma Faculdade e cursos voltado para área de Magistério, Não perdeu tempo, e no segundo semestre após a chegada ao DAEE já estava cursando o curso de Ciências e posteriormente concluiu o de Matemática.

Maebara comenta que a sua evolução na carreira foi gradativa de luta, trabalho, profissionalismo, humildade e ética. Nunca perdeu a esperança, sempre foi batalhador e continua até hoje, sonhando em ver a Autarquia cada vez melhor em todos os aspectos, alias uma característica de todos da sua geração, ou seja, um elo muito forte com a Autarquia.

Desde 1988, é Responsável pelo Grupo Técnico de Informações Gerenciais da BRB (responsável pela área de informática) e pela Diretoria de Recursos Humanos desde o final de 1999, acumulando a função de Diretor Técnico II da BRB, e ainda dando apoio nas reuniões do Comitê de Bacias CBH-RB onde o Diretor Ney Akemaru Ikeda é o Secretário Executivo desde a sua criação há mais de 18 anos.

Maebara é um entusiasta, pois gosta do que faz e é muito grato ao DAEE pelo trabalho realizado, Continue Reading Um servidor (e pescador) do Vale do Ribeira, muito grato ao DAEE pelo que conquistou: Paulo Toshio Maebara….

Um engenheiro do Vale do Ribeira, que se orgulha da sua atuação profissional, do órgão público onde trabalha e dos pais imigrantes que como muitos trabalham arduamente pelo sucesso dos filhos, por Nelson Nashiro.

26/01/2012 às 10:32 | Publicado em Sem categoria | 1 Comentário
Tags: ,

Entrevistamos Nelson Nashiro, no dia 16/1, na sua sala. Engenheiro nasceu no Vale do Ribeira, no distrito de Ana Dias, município de Itariri. Com 32 anos, foi admitido no DAEE, em 10/6/1983, no Governo Montoro, quando o Dr. Valdemar S. Casadei havia assumido a Superintendência. Novo governo, época de muitas mudanças, descentralização,… enfim, novidades para o DAEE e ao Estado em geral.

Assessorando o Engenheiro Silvio Silvado Siqueira, atuou na Sede do DAEE, Rua Riachuelo por alguns meses e logo após, foi trabalhar na Alameda Casa Branca, juntamente com a equipe dele, na Diretoria de Engenharia e Projetos. 

Naquele rico período, colaborando com o grupo instituído pelo Superintendente, ajudou na reformulação do DAEE, com estudos que culminaram na criação das Diretorias de Bacias Hidrográficas. Foram constituídas em 1984, sete novas Diretorias, das quais uma no Vale do Ribeira – BRB, na qual ele foi o primeiro Diretor daquela unidade. (o primeiro prestem atenção…)

Por ser da região adorou atuar naquele município: Registro, pois além de tudo comenta  “eta pessoal bom de trabalhar aquele do Ribeira”, “vestem a camisa mesmo”. Chegavam ao trabalho muito cedo, extremamente responsáveis com o serviço, se orgulham de dizer que são do DAEE.

Aliás, o DAEE é muito conhecido e reconhecido pelo trabalho que desenvolve no interior do Estado, e em Registro particularmente, devido ao notável trabalho por ocasião das enchentes, um dos principais problemas da região, no atendimento à população em geral, na coordenação e divulgação das informações relacionadas aos índices pluviométricos e níveis dos rios da bacia, além da responsabilidade de atuar, há muitos anos,  na coordenação regional da Defesa Civil. Tem importância também na realização de projetos e obras, e no auxílio aos municípios, com assistência técnica e cessão de máquinas. Enfim, em tudo que se relaciona a recursos hídricos, com atuação fundamental também no Comitê de Bacia. Por isso, é benquisto pela população Continue Reading Um engenheiro do Vale do Ribeira, que se orgulha da sua atuação profissional, do órgão público onde trabalha e dos pais imigrantes que como muitos trabalham arduamente pelo sucesso dos filhos, por Nelson Nashiro….

Do Campo de Pesquisas, para Taubaté, à Diretoria do Tietê, às Barragens, ao Parque Ecológico e enfim Registro: Jorge Lane F. do Valle.

18/10/2011 às 18:31 | Publicado em Sem categoria | 1 Comentário
Tags: ,

Exímio conhecedor do DAEE, Jorge Lane Ferreira do Valle, admitido em 1973 aos 15 anos, nascido na cidade de Pindamonhangaba, no Vale do Paraíba, conhece muito bem o DAEE, pois se criou no Campo de Pesquisas em Pindamonhangaba, já que sua mãe, servidora originária da Secretaria da Saúde migrou para o DAEE e seu pai vigia (Manoel do Valle) trabalhava no Campo de Pesquisa.

Conhece o campo de pesquisa desde 1959, ano em que nasceu. Esta era uma unidade para realização de estudos hidroagrícolas, para fins de produção de sementes para o Estado. As grandes empresas como Cargil, entre outras se utilizavam destas pesquisas para melhorar sementes de arroz, feijão, etc.

Segundo ele, o Triticale – hibrido do trigo e centeio, que é uma farinha de baixo custo, foi desenvolvido neste local.

Perguntei se era uma espécie de piloto do que se tornaria hoje a EMBRAPA – Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, que realiza pesquisas na área de agricultura, e ele disse que era mais ou menos isto. 

Cita com orgulhos grandes profissionais que lá atuaram como os agrônomos: José Vespasiano de Abreu, Geraldo Guimarães, Roberto Leite, José M. dos Santos este último com uma visão e atuação totalmente humanista em tudo que fazia, mas todos experts como profissionais. No caso do Dr. Geraldo Guimarães foi estudar no Japão sobre o arroz irrigado, trazendo informações importantes ao Brasil sobre o assunto.

Comenta também sobre outro profissional como o motorista Geraldo Casagrande que fazia milagres reproduzindo maquinas e consertando coisas que nem o professor pardal Continue Reading Do Campo de Pesquisas, para Taubaté, à Diretoria do Tietê, às Barragens, ao Parque Ecológico e enfim Registro: Jorge Lane F. do Valle….

Um engenheiro Agrimensor atuando no Vale do Ribeira: José Roberto Casalle.

03/10/2011 às 19:52 | Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário
Tags: ,

José Roberto Casalle, 62 anos, é engenheiro agrimensor, admitido em 1976, então com 27 anos para atuar na Região do Vale do Ribeira, especificamente na Obra do Valo Grande. Lembra-se da sua admissão através do então Engenheiro e Diretor Janotti.  Originário e formado em Araraquara a mudança foi drástica, já que são cidades e regiões com perfis bem diferentes.

Aqueles que não sabem o engenheiro agrimensor realiza todos os levantamentos topográficos e batimetricos onde vai ser realizada a obra, da calha do rio, da profundidade, etc. Após a finalização do trabalho deste profissional e sua equipe é que se inicia o trabalho do engenheiro civil para realização da construção em si.

No caso do trabalho a ser realizado no Valo Grande ele tinha sob sua responsabilidade varias equipes: topógrafos, sondagem, dragagem, sucção. Nesta obra, trabalhou muito com Dr. Shibata, com o qual aprendeu muito.

Segundo ele esta barragem iniciada em 1983, esta aguardando a comporta que vai regularizar a vazão do rio e as enchentes na região. O DAEE teve um papel importante na execução desta obra do Valo Grande, inclusive vários servidores trabalharam nela.  

Após 1984, passou a ser o Coordenador do Centro Técnico área responsável pelo o atendimento aos municípios, da limpeza dos rios, córregos, manutenção dos equipamentos, caminhões, drag lines, escavadeiras, cessão as prefeituras, etc. Busca recuperar as maquinas manter as parcerias com os municípios, manter a importância do papel do DAEE na região, Continue Reading Um engenheiro Agrimensor atuando no Vale do Ribeira: José Roberto Casalle….

O trabalho de um barqueiro no DAEE salvando vida nas enchentes por Rivau de Freitas

03/10/2011 às 19:37 | Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário
Tags: ,

Rivau de Freitas, hoje com 58 anos, foi admitido no DAEE em 01/5/75, portanto há 36 anos para realizar serviços braçais. Fez inscrição num período onde havia muito serviço e a contratação para este tipo de atividade braçal, não era difícil. Fez a inscrição e começou logo a trabalhar na parte de sondagens, fazendo picadas (abrindo caminhos, valas), enfim trabalho duro. Seu chefe Adilson Iragy Passareli.

Depois desta atividade foi transferido para equipe de obras, que iria ser responsável pela construção do conjunto residencial para moradia dos engenheiros que atuariam na BRB – Registro.  Hoje este local é utilizado para escritórios e dependências administrativas, além de algumas casas serem cedidas a outros órgãos públicos que atendem a população de Registro, e onde se localiza a oficina mecânica, veículos e maquinas da unidade.

Como estava estudando o ginásio, foi transferido posteriormente para o almoxarifado, por onde atuou por 18 anos, área da qual gostou muito.

Chegou a cursar o 2º Ano de Contabilidade, mas como casou em 1979, e com as despesas e encargos familiares, parou os estudos. Diz que foi um pouco folgado e que podia ter insistido um pouco mais e isto o teria ajudado, mas agora não adianta reclamar.

Em 1982, com a mudança do Governo, e a alteração do novo Diretor houve uma grande mudança na administração do Vale do Ribeira, o novo Diretor Guerer – um alemão.  No seu caso foi trabalhar internamente na parte de Finanças com Sergio Guilhermino.

Após isto foi para o setor de transporte atuar com José Roberto Casalle, engenheiro responsável pelo atendimento aos municípios.  Esta área é responsável pelos veículos do DAEE, máquinas, manutenção da sede, etc. A equipe é formada por profissionais como Continue Reading O trabalho de um barqueiro no DAEE salvando vida nas enchentes por Rivau de Freitas…

Da SUDELPA ao DAEE e Vice Versa, a trajetória de um Servidor e de seu Pai, por Mario Jerson Tognietti.

30/09/2011 às 19:17 | Publicado em Sem categoria | 5 Comentários
Tags: ,

Mario Jerson Tognietti, neto de imigrantes 53 anos, admitido em 16 de maio de 1977, começou a atuar no DAEE somente em 1989, por conta da transferência dos servidores da SUDELPA – Superintendência do Desenvolvimento do Litoral Paulista para o DAEE. Porém conhece o serviço púbico desde 1974.

Aos 16 anos já trabalhava em um programa destinado a menores, com objetivo de prestar atendimento médico a pessoas carentes através de um Convenio SUDELPA e equipe médica do Hospital Emilio Ribas e Laboratório Adolfo Lutz, lembra-se também que neste teve na região do Vale do Ribeira um surto de meningite encefálica.  Ele prestava serviços em um consultório médico, atendendo o público e com o tempo já auxiliava aplicando injeção, fornecendo medicamentos, cuidando da estufa, e acompanhando a equipe nas experiências que faziam em campo (mata) com ratos, que na realidade eram cobaias para pesquisa.

Parece que o trabalhar para o Estado era seu destino.

Em 1977, fez concurso e foi trabalhar na SUDELPA – cuja missão, segundo ele era melhorar a condição da população moradora do litoral paulista e Vale do Ribeira , atuando na construção de estradas vicinais, pontes, postos de saúde, realização de levantamento sócio econômico, enfim desenvolver esta região. Infelizmente com as questões politicas a SUDELPA foi mudando de Secretarias de Governo em Governo, até ser extinta em 1986 pelo Governador Orestes Quércia.

Na SUDELPA, atuou no setor de apropriação e custos, onde calculava os custos para estradas e vicinais.

Com a extinção do órgão, houve um termo de anuência e todos e alguns servidores vieram para o DAEE, alguns para Itanhaém Continue Reading Da SUDELPA ao DAEE e Vice Versa, a trajetória de um Servidor e de seu Pai, por Mario Jerson Tognietti….

Um Herói do DAEE nas Enchentes do Vale do Ribeira – Totó (Antônio) Muniz.

15/09/2011 às 21:38 | Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário
Tags: ,

Antônio Muniz, 86 anos, admitido em 10/8/1973, aposentado em 1985, nascido e criado em Registro, foi visitado por nós em sua residência, considerando que é muito respeitado e querido pelos servidores da BRB – Bacia do Vale do Ribeira e ainda, segundo eles tem um caderninho onde guarda todos os registros do seu tempo de trabalho.  

Estivemos na sua residência, na qual nos contou muito saudável aos seus 86 anos, que trabalhou na área rural (roça) quando jovem, mas depois ao ficar mais velho veio a cidade e montou um comércio na cidade de Registro, local onde se deu seu contato com os técnicos do DAEE, especialmente os topógrafos que iam a cidade fazer os serviços e compravam mantimentos na cidade. Em especial o topógrafo de Itanhaém Éneas Leite Neto, que além de deixar algumas mercadorias no armazém dele, ás vezes ainda ele o indicava aos outros comerciantes locais para que vendessem fiado, pois ninguém o conhecia por lá. Foi crescendo assim uma confiança e amizade. Porém apesar de gostar de trabalhar no comercio, depois de um período de dificuldades e da enfermidade da esposa onde ficou 15 dias sem trabalhar para cuidar dela, começou a passar apuros.

Foi então convidado pelo topógrafo Éneas ai fazer um teste no DAEE para o cargo de auxiliar de topografia. Tinha experiência com isto, pois ao fazer um inventário de uma fazenda a família, aprendeu fazendo junto com o profissional que cuidou disto pra família.

Tendo feito o teste, passou, mas o Dr. Zadra, quando pegou sua carteira profissional viu sua idade 48 anos, e disse: Ah assim não dá, a idade não é boa não. Nem pensar. Mesmo assim você vai pra São Paulo e vê o que o pessoal do Departamento de Pessoal diz. Foi à mesma coisa, nem pensar, a idade é muito alta. Voltou desiludido.

Passado alguns meses, os técnicos do DAEE voltaram a convidá-lo a fazer novo teste ao que ele disse, mas eu já fiz, tenho o protocolo do teste aqui e que fui aprovado, mas a idade me impediu de trabalhar. Eles resolveram conversar com algumas pessoas e em poucos dias ele estava contratado, afinal não há limitação de idade pra trabalhar no estado.

De 1974 a 1978 trabalhou junto com o Eng. José Roberto Casalle – grande engenheiro agrimensor, responsável pelo levantamento batimétrico, topográfico da barragem do Valo Grande, entre outras obras. Excelente profissional, ótima pessoa, onde o respeito e confiança eram reciprocas.

Contratado como feitor, que segundo Aurélio é: Administrador de bens alheios, gestor, Superintendente que distribui e fiscaliza o serviço de trabalhadores, particularmente escravos; capataz” Esta definição antiquada do Aurélio não serve para definir o cargo no Estado, pois aqui ele era uma espécie de encarregado de turma, pois sua equipe era composta de vários profissionais como ele que passavam a semana toda fora de casa, em alojamentos, fazendo o levantamento topográfico, batimétrico, medindo vazão, a profundidade dos rios, etc. Mas ele não só dava ordens, Continue Reading Um Herói do DAEE nas Enchentes do Vale do Ribeira – Totó (Antônio) Muniz….

Admitido para atuar na Obra do Valo Grande, profissional tímido, porém empolgado na Diretoria do Vale do Ribeira: Eng.Gilson Nashiro.

14/09/2011 às 18:07 | Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário
Tags: ,

Estivemos na BRB – Bacia do Ribeira e Litoral Sul – Registro, em setembro com o intuito de conhecer um pouco da história dos servidores daquela unidade, bem como da sede e dos serviços realizados por lá.

Nosso primeiro contato se deu com o Engenheiro Gilson Nashiro, Engenheiro civil, Admitido em 20/3/1979, então com 26 anos, recém-formado, contratado para atuar na Obra do Valo Grande. Nascido na Cidade de Ana Dias, Distrito do Município de Itarirí, próximo a Peruíbe, disse que a opção por engenharia se deu por influência do irmão (Nelson Nashiro) também engenheiro do DAEE e, ainda, pelo gosto pelas matérias da área de exatas.

Ao prestar concurso no DAEE, sua opção foi atuar na Unidade de Itanhaém, para ficar mais próximo à família. Porém, havia outro candidato com prioridade para esta vaga e foi então convidado pelo então Diretor da Unidade, o saudoso Dr. Luiz Shibata, a ir pra Registro, pois a Unidade de Registro precisava de alguém para atuar na obra da Eclusa do canal Valo Grande, que estava para ser iniciada. Aceitou prontamente.

O canal denominado Valo Grande localiza-se no Município de Iguape e foi aberto em meados do Século XIX para ligar o Rio Ribeira de Iguape ao Mar Pequeno com o objetivo de reduzir a distância de percurso das embarcações que seguiam transportando mercadorias e materiais diversos rumo ao então pujante Porto de Iguape. A obra que seria uma simples abertura de pequeno canal, com largura de 4m, transformou-se num dos maiores desastres ambientais do País devido à ação erosiva em solo de constituição arenosa, levando ao assoreamento das áreas à jusante e resultando num imenso “valo” de 200m de largura atualmente. Em 1978, o DAEE construiu a Barragem com o objetivo de restabelecer as condições de antes da abertura do Valo, mas com as ocorrências de inundações que se seguiram, obras de adaptação foram realizadas dentre outras ainda necessárias. É uma obra polêmica por ter o propósito de conciliar os interesses de proteção ambiental da área estuarina-lagunar situada à jusante com o de minimizar as enchentes à montante mediante o controle de vazão a veicular no Valo Grande.

É uma obra que inclui várias etapas e ele acha que vai aposentar e ela não estará terminada.

Mas entrar no DAEE foi muito bom, pois, além do desafio das obras, ele já foi fazendo logo de início cursos de capacitação que o ajudaram muito, como no IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas, ou vários outros no próprio DAEE, e trabalhando com técnicos como Wilson Waki, seu superior imediato na época, tendo a oportunidade de aprender com técnicos de outras diretorias, como o CTH, e também com renomados consultores como os professores Kokei Uehara e Carlos Pesce, entre muitos outros.

Aprendeu muito na fiscalização de obras contratadas e acompanhando convênios com prefeituras, questões envolvendo Ministérios Públicos, sempre Continue Reading Admitido para atuar na Obra do Valo Grande, profissional tímido, porém empolgado na Diretoria do Vale do Ribeira: Eng.Gilson Nashiro….

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.