As meninas da Qualidade e 5’S do DAEE – Ivone T. Brambilla e Luciana Machado

01/03/2012 às 11:49 | Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário
Tags: ,

Ivone Thal Brambilla, tem 53 anos, trabalha no DAEE desde 1982, quase sempre atuando na área de administração de pessoal, tem muita experiência neste assunto.  Corinthiana roxa, atualmente ela tem uma bagagem muito grande em vários temas nesta área como: contagem de tempo, aposentadoria, admissão, portarias, apostilas, licença prêmio, legislação, manuseio de prontuários (para achar determinados documentos para fins diversos), ajuda nos Perfil Profissiografico Previdenciário  quando necessário, enfim tudo que se refere a esta área. Nunca diz não a uma nova tarefa e novo aprendizado.  

Já Luciana Machado iniciou sua atuação no DAEE em 2010, tem 42 anos e já iniciou seus trabalhos junto às atividades de Gestão da Qualidade e Recursos Humanos do DAEE.

Trajetórias diferentes que agora somam a gestão da qualidade e implantação do 5’S nas unidades do DAEE, especialmente no interior realizadas em 2011.

Mas falando da Ivone,  esta nos conta que entrou no DAEE em abril de 1982 atuando na seção de pessoal do Vale do Tietê, sediado na Vieira de Carvalho. Seu Chefe Rafael Cortona.

Com a criação das Bacias hidrográficas, em 1983 e o fechamento da Diretoria do Vale do Tietê, veio para a sede de São Paulo (Rua Riachuelo) atuar junto à área de Recursos Humanos – Seção de Pessoal, cuja responsável era Laurinda Leão Ramos. Diz ela que foi ótimo, aprendeu muito, se desenvolveu, pode conviver com mais pessoas, com as unidades do interior, os filhos puderam ficar na creche do DAEE e depois no CCI – Centro de Convivência Infantil, além de a Laurinda ser uma excelente pessoa e ótima chefe, muito competente. O RHAP sigla da seção de pessoal na época tinha em seu quadro mais ou menos 30 servidores, hoje a área conta com 09. Gosta muito da área, da equipe, das pessoas com as quais convive hoje.

Destaca a importância que a Creche e CCI tiveram para sua vida/trabalho, pois através do trabalho deles teve tranquilidade e apoio para trabalhar e criar os filhos. Seus filhos: Neto e Binho hoje com 33 e 31 anos, puderam crescer e se desenvolver num local excelente, seguro, com equipe competente, com boa infraestrutura para crianças o que pros pais era um alivio para o coração, mente e ainda bolso, considerando que este benefício era  custeado pela Autarquia.  Tudo de bom…..

Porém em 1994, por razões familiares transferiu-se para o escritório regional de Bauru. Foi atuar junto ao RH – Pessoal daquela unidade. Já em 1998, foi para a Unidade de Sorocaba, onde ficou por 06 meses. Neste período diz que se apaixonou ainda mais pelo DAEE, pois passou a conhecer melhor o que a Autarquia fazia junto aos municípios. Como atuava  junto à área de engenharia se encantou ainda mais com as atribuições do DAEE e sua importância nas cidades do interior.

Diz que agradece muito ao DAEE, seu aprendizado, desenvolvimento, evolução, e gostaria de deixar um reconhecimento especial a equipe das assistentes sociais pois quando seu filho era pequeno precisou muito do auxilio e apoio desta área, com acompanhamento, doadores de sangue, veículos em casos de emergência, enfim várias coisas para poder atender sue filho que tinha um problema de saúde grave. Ao DAEE e a esta equipe agradece muito.

Já Luciana, esta “novata” se assim pode se dizer, que veio direto para atuar junto à área de qualidade e implantação do 5’S no DAEE, veio de empresas privadas. Formada na área de tecnologia da informação, atuou em áreas de administração, financeira, franchising, etc. Está agora no RH e está gostando muito.

Diz que se sente privilegiada pois através deste trabalho tiveram a chance de conhecer tantas unidades do interior e os servidores, coisa que muitos servidores com muitos anos de serviços não tiveram a oportunidade de conhecer.

 Estas duas meninas foram parar neste trabalho da qualidade de maneiras diferentes, Luciana veio contratada diretamente na Administração do Dr. Amauri Pastorelo, para esta finalidade. Ivone fez o curso com a Fundação Vanzolini em 2009, juntamente com mais 30 servidores do DAEE, visando à implantação do Programa de Qualidade no DAEE.

Após auxiliar a implantação do Projeto piloto na Capital – na Unidade de Recursos Humanos na Rua Boa Vista, onde foram retirados quase 03 toneladas de papel, foi convidada a assumir juntamente com Luciana a equipe que iria percorrer as unidades do interior fazendo o mesmo trabalho, ou seja a primeira etapa do programa de qualidade que seria o 5’S. Segundo elas retiraramde todo o DAEE 33 toneladas de material a ser reciclado ou simplesmente jogado fora.

Elas dizem que em 2011 fizeram  um cronograma de viagem às unidades do interior. Ha um pré-contato com os Diretores, feito pela Diretora da DHU Elizabeth Trovão. Após isto e a indicação pelos diretores de um responsável em cada unidade por esta atividade é enviado um CD com apresentação sobre o tema mais uma cartilha a ser entregue aos servidores.

No dia da implantação do 5’S elas se apresentam aos servidores e juntamente com o responsável da unidade percorrem as salas, descartando o material que não será utilizado e orientando a arrumar e classificar os materiais: livros, material de escritório, o que deve ser guardado, o que deve ser descartado, classificado, etc.

Em 2011 percorreram quase o interior todo (16 unidades), apontam como as principais dificuldades deste trabalho o apego das pessoas com coisas que podem ser descartadas, uma cultura típica dos servidores púbicos, e mais ainda o pouco envolvimento de alguns gestores com o programa;  fundamental para o sucesso do projeto. Quando este não está diretamente envolvido no projeto, colocando a mão na massa, é difícil envolver o servidor também.

Ainda bem que estes são minoria, e que com a chegada de novos servidores, há um grande movimento para que o DAEE se renove, melhore, se atualize, se desapegue (como elas ouviram em uma das unidades) isto não só por parte dos novos servidores, mas também dos antigos, que querem que o DAEE melhore a qualidade dos seus serviços cada vez mais e sabem que a gestão da qualidade contribui muito nisto. É uma questão de consciência.

Finalizam dizendo que fazer este trabalho é maravilhoso, não só por sua filosofia na qual acreditam, mas pelo fato de poderem conhecer o DAEE como um todo, suas atividades, as pessoas, visita-los, pois sentem que as pessoas do interior recebem,  na sua maioria,  os servidores da capital muito bem, gostam de serem visitadas. Isto com certeza melhoram  as relações e  clima organizacional entre servidores da Capital e Interior. E elas gostam de fazer parte desta mudança.  

Seria ótimo se todos os servidores pudessem ter este tipo de oportunidade que elas estão tendo. Elas apesar de acumularem duas funções, se sentem privilegiadas.

Anúncios

Deixe um comentário »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: