A União dos Japoneses e a história das cooperativas de eletrificação rural por Jorge Iamamoto

19/10/2009 às 23:47 | Publicado em Sem categoria | 3 Comentários
Tags:

No Final dos anos 50 e inicio dos 60 o DAEE iniciou a implantação das cooperativas de eletrificação rural no Estado e mais tarde, incorporou a telefonia rural, também, geridas pela Diretoria de Eletrificação e Telefonia Rurais –DR. Este setor, por incrível que pareça, foi excluído das atribuições do DAEE no governo Montoro, cujo lema era “Participação e Descentralização” e cerca de 47 cooperativas tiveram seus desígnios que eram geridos por eles proprios, passados a concessionárias de energia elétrica e de telefonia. Os recursos para a implantação dos projetos eram originários do BID – Banco Internacional de Desenvolvimento – e do BIRD – Banco Internacional para Reconstrução e Desenvolvimento -, repassados pelo Banco do Brasil ou Caixa Econômica Federal, com prazo de amortização de 10 anos, carência de 2 anos para inicio dos pagamentos, com juros de 10 % ao ano, sem correção monetária. Com a inflação existente na época, as amortizações atingiam valores tão insignificantes que, muitas vezes, os financiamentos eram quitados numa única parcela, após aprovação da Assembléia. Seu mentor principal, o engenheiro Marcelo Oreste Bogaert, mais tarde superintendente da Autarquia, ele mesmo iniciou o cadastramento dos interessados e as duas primeiras regiões elencadas foram Mogi das Cruzes e Registro, muito provavelmente pela existência de um enorme contingente de japoneses e descendentes, adeptos do cooperativismo. Lembramos que em 1927, com a participação maciça da colônia japonesa, principalmente, ocorria a fundação da Cooperativa Agrícola de Cotia, que nos seus anos dourados chegou a produzir, processar e comercializar o equivalente a 25 % da produção agropecuária nacional. Mais tarde foram fundadas pelos representantes da colônia japonesa outras cooperativa como a Sul-Brasil, a Mista de Itapeti, Bandeirantes e outras menores. Então o Marcelo, a bordo de um jipe, iniciou o cadastro em Registro e encontrando um auxiliar japonês, perguntava a ele se poderia auxiliá-lo na elaboração de cadastro de interessados.

Pela regra vigente eram necessários 10 kVA e 15kVA, respectivamente, por quilômetro, para linhas monofásicas e trifásicas, para pode ser financiado e um número determinado de interessados para a formação da cooperativa.. O cicerone ia levando o Marcelo pelas estradas rurais e ao fim do dia havia feito uns 2 ou 3 cadastros e quando passava por uma porteira ou 1 derivação da estrada rural, perguntava ao guia porque não adentrava nessa estrada. O guia respondia algo como: aí não tem ninguém, pois o japonês foi embora ou quem mora ai é muito pobre, não vai poder aderir ou então, nesse sitio não mora ninguém…. Num outro dia, com outro guia, fazia cadastro em outros bairros e acontecia mesma coisa, entradas bem cuidadas não eram adentradas porque o guia dizia as mesmas coisas que o outro do dia anterior. Depois de meses no trabalho de cadastramento, um dia, ele voltou com 1 guia diferente do primeiro, para o mesmo bairro onde havia feito alguns cadastros e para sua surpresa, ele mandou adentrar numa estrada em que a informação inicial era de que não havia ninguém. Encontrou uma sede maravilhosa e quando anunciou a intenção da constituição de uma cooperativa de eletrificação rural, na mesma hora foi feito o cadastro e adesão com uma carga acima da media. Assim sucessivamente trocando de guias, foi verificando que as informações obtidas não correspondiam à verdade e pode realizar o cadastramento de interessados o suficiente para a formação de uma cooperativa. Na verdade, a suposição de que os japoneses eram unidos, somente era verdadeira quando se tratava de grupos harmônicos e o fato narrado mostrava que entre os japoneses da colônia havia dissidências, adversários políticos e até inimigos. Deve-se lembra que Registro e outras regiões do país, como a Alta Noroeste e Paulista, foram palcos de assassinatos diversos, após a segunda guerra mundial por parte dos partidários de facções que acreditavam que o Japão havia vencido a II Guerra Mundial e que acreditavam na origem e poder divino do Imperador Hiroito. Aqueles que diziam que o Japão havia perdido a guerra eram assassinados, sumariamente. Fernando Moraes em seu livro “Corações Sujos”, retrata muito bem esse episódio lamentável dos imigrantes japoneses. Outro fato pitoresco que ilustra muito bem a animosidade existente entre os nipônicos foi a criação, numa época difícil de viabilização, de duas cooperativas de eletrificação rural em Ibiúna, a CETRIL e a SULESTE, que mais tarde, com o trabalho de diversas áreas do DAEE, foram unificadas.

Para a grande surpresa do engenheiro Marcelo Oreste Bogaert, no dia da Assembléia de constituição da cooperativa em Registro, houve a formação de 11 chapas concorrentes para o Conselho de Administração, mostrando como os japoneses são “unidos na discordia”. História e texto de Jorge Iamamoto – Atualmente Diretor da Unidade de Capivari da Bacia do Médio Tietê.

Anúncios

3 Comentários »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

  1. Adoreiiiiiiiiiiiiii

  2. é injussto não lembrar o incansável trabalho nessa área de Eletrificação Rural desenvolvida com muita garra e amor pelo Dr. Dagoberto Sérvulo de Oliveira, que percorreu milhares de km fazendo reuniões com prefeitos e grupos de comunidades rurais sobre esse trabalho, nos anos 70

    • Caro Edvaldo, parece que voce conhece bem o DAEE, caso queira apresentar alguma história interessante sobre algo ou alguém do DAEE do seu tempo, que queira relembrar, destacar, ou comentar, fique a vontade que publicamos, já que o objetivo do blog é este mesmo.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d blogueiros gostam disto: