Ser bibliotecária: uma tradição familiar na vida de Kinue Saito.

27/05/2013 às 12:11 | Publicado em Biblioteca DAEE | Deixe um comentário
Tags: ,
Kinue ao centro e sua equipe

Kinue ao centro e sua equipe

A biblioteca do DAEE, vinculada e subordinada a SAT – Diretoria e Assessoria Técnica do DAEE fica sediada atualmente na Cidade Universitária, sob a coordenação da bibliotecária Kinue Saito de 56 anos.

Kinue vem de uma família tradicionalmente formada por bibliotecárias em várias gerações. Segundo ela foi influenciada por sua prima Satiko e tia Makico, ambas bibliotecárias que também atuaram no DAEE, tem ainda mais 03 primas com a mesma formação. “É parece que elas gostam de organização”. Diz que a influencia da tia e prima foram grandes, pois desde pequena frequentava os locais de trabalho de ambas e gostava do que via.

Satiko foi uma das primeiras bibliotecárias no DAEE e esteve à frente desta biblioteca central do período de 1973 até 1999. Makico trabalhou na mesma área de 1998 ate 2011 quando veio a falecer. Kinue está na mesma área de 1989 até a presente data.
Formada pela Faculdade de Sociologia e Politica de São Paulo, começou atuando na biblioteca quando ela ficava na Rua Riachuelo, depois com a aposentadoria de Elza Maria Maciel, bibliotecária do CTH – Centro Tec. de Hidráulica veio transferida para a Cidade Universitária.

Retornou posteriormente para Riachuelo, depois Vila dos Remédios e agora novamente na Cidade Universitária. A biblioteca do DAEE até pela necessidade de grande espaço físico, sofre com as mudanças de locais sofridas pela autarquia, pois em todas tem que se acomodar em espaços nem sempre adequados ao seu grande acervo.

Comenta que o acervo da biblioteca do DAEE é enorme, sua área principal são os livros de engenharia civil, hidráulica, hidrologia, elétrica, Continue Reading Ser bibliotecária: uma tradição familiar na vida de Kinue Saito….

Carros Oficiais e Licenciamento de veículos, deste assunto ela entende: Marlene Sene Boggian.

23/05/2013 às 13:39 | Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário
Tags: ,

IMG258Marlene Sene Bogian é uma daquelas mulheres determinadas, fortes, com senso de responsabilidade enorme e que apesar de não terem tido a oportunidade de terminarem seus estudos junto a universidades, etc., vão à luta e fazem seu trabalho com muita vontade, criatividade e determinação.

Admitida pelo DAEE em 1976 a principio num contrato temporário de 03 meses, depois estendido para 06 meses, foi posteriormente contratada. Começou atuando na área administrativa, onde fazia pedidos datilografados num papel grande (tipo mimeografo) com inúmeras folhas com papel carbono. Atuava na área de compras com Dr.Takaashi, depois com Tokio Hirata, hoje Diretor da BTG – Bacia do Turvo Grande em S.J. do Rio Preto.

Atuou também como secretaria da secretaria do Capitão Noray, o qual considerava rígido, mas no final aprendeu muito com ele. Disse que uma vez foi corrigida por ele sobre um serviço, ficando muito chateada por isto, mas que com o tempo nunca mais esqueceu nem cometeu o mesmo erro.

Em 1984, com o nascimento do primeiro filho, foi transferida para a Contabilidade sob a coordenação de Joao Bartholomeu Netto. Fazia pagamentos da folha de pagamento, das desapropriações, as construtoras e empreiteiras, etc. Era um trabalho de grande responsabilidade, mas, que ela gostava muito e dava conta do recado.

Quando foi para a contabilidade, não gostou muito pois não foi sua opção, porém tem percebido em sua vida como uma constante, que sempre que surgem mudanças apesar de parecerem não tão positivas, com o longo do tempo se mostram boas para sua vida. No caso desta em especial, como estava gravida o trabalho era mais leve e com maior liberdade de poder se ausentar e fazer o pré-natal necessário a sua gestação.

Já em 1995, foi trabalhar junto a Divisão de Transportes – ADT na Vila dos Remédios por ser mais próximo a sua residência.  O Diretor da época João Barardi. Continue Reading Carros Oficiais e Licenciamento de veículos, deste assunto ela entende: Marlene Sene Boggian….

São Paulo antiga – Vamos recordar?

29/04/2013 às 19:08 | Publicado em Sem categoria | 1 comentário
Tags:

Este slideshow necessita de JavaScript.

Como nosso assunto é “memória” e ainda pela imensa saudade do nosso antigo prédio situado à Rua Riachuelo, 115 - nossa antiga sede até a mudança para Pinheiros, acho,  que em 2002, (estimado), vasculhamos e achamos algumas fotos bem bonitas da cidade de São Paulo das décadas de 40 e 50.

Como vai ser difícil retornarmos aquele prédio de tantas boas recordações, escolhemos as fotos para apreciarmos um pouco.

Caso alguém tenha fotos daquele período em que o DAEE esteve instalado lá, nos envie assim completamos a matéria ou fazemos outra especifica sobre nossas instalações por tantos anos e que nos abrigou, acolheu, além do que tínhamos disponível uma linda biblioteca, creche, pátio com veículos oficiais, elevadores antigos, etc.

Hoje lá está o prédio do Ministério Público, muito mais moderno, vistoso, porém sem o  charme  daquela (nossa) época. Talvez falte humildade, mas é o nosso sentimento por aquele local, alias relembrando nos tirar de lá foi uma luta, pois resistimos muito e por um bom tempo.

Podia ser até que não tivéssemos tanto conforto assim naquele prédio, entretanto muitas histórias de vida, carreira, atividades desenvolvidas pelo DAEE que muito impactaram a vida     das pessoas, grandes nomes profissionais que por ali passar, projetos profissionais, ocorreram ali, com certeza.

E prosseguimos nossa vida profissional agora também bem instalados nos Edifícios Cidade I e II do governo situados a Rua Boa Vista, 170 e 175.

O DAEE e nós seguimos em frente sempre.

Fotos extraídas de um calendário de 2012, em homenagem ao fotógrafo Werner Haberkron (1907/1997). Reprodução  Fotolabor.  (Coordenação: Ernesto Haberkorn,  Projeto Gráfico & Arte: Daniela Haberkorn).

“E por falar em boa velhice”: Envelhecimento Bem sucedido e Bem Estar Psicológico por Sueli Aparecida Freire.

11/04/2013 às 20:08 | Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário
Tags:

boa velhice

Desde que os meios de comunicação intensificaram a divulgação das perspectivas dos demógrafos em relação ao envelhecimento populacional no Brasil, as pessoas têm-se preocupado com questões ligadas à qualidade de vida na velhice. “Será possível ter uma velhice feliz”? O que fazer para chegar a ela? Quando uma pessoa deve começar a se preocupar com medidas preventivas em relação ao processo de envelhecimento? Existiria, hoje, uma “fonte da juventude”, criada pela ciência? Vale a pena permanecer jovem sem usufruir das etapas seguintes da vida? Em geral, o que se pretende não é deixar de se desenvolver, ficar parado numa etapa da vida como ser incompleto, inacabado, estagnado, mas manter a integridade mental e física até os últimos anos de vida.

Identificar as virtudes da velhice, descobrir a riqueza de uma vida vivida plenamente, até seu fim, passa a ser, então, tema de interesse geral.

Uma vez que grande número de pessoas espera gozar de uma longa velhice, o significado do envelhecimento bem-sucedido passa a ter maior importância, especialmente hoje, quando se sabe que velhice não implica necessariamente doença e afastamento, que o idoso tem potencial para mudança e muitas reservas inexploradas. Aumenta a consciência de que os idosos podem sentir-se felizes e realizados e de que, quanto mais forem atuantes e estiverem integrados em seu meio social, menos ônus trarão para a família e para os serviços de saúde. A partir daí, tanto os estudiosos de diversas áreas como as pessoas em geral têm-se interessado pela busca por formas de chegar a uma velhice bem-sucedida. Afinal, envelhecimento e velhice representam um processo e uma etapa de vida que merecem a atenção tanto da ciência e da tecnologia quanto da sociedade e do indivíduo.

As pesquisas sobre os mecanismos envolvidos no ‘processo de envelhecimento estão muito avançadas, e grande parte de seus fatores determinantes já são conhecidos, bem como formas de atuar sobre eles, atenuando-os ou protelando-os.

Alguns problemas ligados ao envelhecer podem ser evitados com medidas preventiva  como nutrição equilibrada, exercícios físicos, condições ambientais adequadas e disposição interna para enfrentar as dificuldades inerentes ao processo.

Outros são desconhecidos – e há os conhecidos que ainda não puderam ser controlados ou evitados, como alguns ligados à herança genética. Apesar disso, sabe-se que, ao divulgar os conhecimentos acerca dos mecanismos que causam prejuízo às capacidades funcionais, aumenta-se a oportunidade de um envelhecimento saudável e de uma velhice plena, com as satisfações e realizações dessa fase da vida.

É com base nessas ideias que muitos programas desenvolvidos com adultos de meia-idade e idosos têm sido propostos e realizados. Neles, são tratados temas importantes para a boa qualidade de vida dos idosos, como nutrição, cuidados básicos com a saúde, direitos e deveres do cidadão idoso, atividades físicas, saúde mental e participação social. Tais programas são muito procurados, afinal as pessoas estão cientes de que ainda não existem fórmulas científicas para o rejuvenescimento nem receitas mágicas para envelhecer bem. Já existe muita informação sobre o processo de envelhecimento e a velhice satisfatória do ponto de vista biopsicossocial, mas neste capítulo será abordada a questão do envelhecimento bem-sucedido no aspecto psicológico, o que é envelhecimento bem-sucedido? Continue Reading “E por falar em boa velhice”: Envelhecimento Bem sucedido e Bem Estar Psicológico por Sueli Aparecida Freire….

Uma profissional com “saberes múltiplos” (e excelente memória) atuando junto a Diretoria Financeira – DOF: Ivone Aparecida do Rozário.

27/03/2013 às 18:42 | Publicado em Sem categoria | 1 comentário
Tags: , ,

Ivone (4)Ivone Aparecida do Rozário que trabalha atualmente na DOF – Diretoria Financeira está no DAEE desde 23.05.77. A nosso pedido contou-nos um pouco sobre sua trajetória profissional, já que está na Autarquia há longa data.

Nestes casos as histórias de vida profissional dos servidores fundem-se a trajetória de obras e atuação da Autarquia, o que é muito bom pois temos um painel histórico sobre o DAEE também.

Ivone começou no DAEE como escriturária, como era chamada função hoje denominada de oficial administrativo, para prestar serviços na então existente Divisão de Eletrificação Rural. Após um pequeno período, foi trabalhar diretamente com o Diretor da Divisão na época, Dr. Aldo Pedro Buono, aproximadamente por sete anos.

Assim que começou a trabalhar, conseguiu custear os estudos, pois Ivone sempre gostou muito de estudar e aprender. Estudando à noite, concluiu o curso de Serviço Social pela PUC-SP em 1983, justamente na época de uma grande guinada na Autarquia, com a entrada de um novo partido político no Governo do Estado, o que possibilitou o seu aproveitamento profissional começando assim a exercer sua profissão dentro do DAEE.

Assim sendo, foi promovida para o que hoje se chama Encarregado II e posteriormente para Chefe II. Segundo ela, trabalhar no Serviço Social do DAEE, com um público de diferentes perfis e limitação de recursos, foi complicado, mas de um grande aprendizado. Até hoje, mesmo tendo se passado muito tempo em que deixou de atuar nessa área, lembra-se bem de alguns acompanhamentos sociais que foram marcantes, uns pela tristeza e outros pela alegria de ter alcançado os resultados almejados.

Porém infelizmente, o nosso Serviço Social foi perdendo a maioria de seus funcionários, uns por aposentadoria, outros por mudança para outras áreas, mas gosta de lembrar algumas pessoas marcantes nesta sua trajetória como: Regina Augusta por sua firmeza de idéias, da Iliani Camati e da Vera Guidotti pela alegria e da nossa antiga Chefe, Joana Neide, Continue Reading Uma profissional com “saberes múltiplos” (e excelente memória) atuando junto a Diretoria Financeira – DOF: Ivone Aparecida do Rozário….

Uma “engenheira do barulho” atuando na BTG/São José do Rio Preto: Márcia R.Brunca Garcia

22/03/2013 às 17:04 | Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário
Tags: , ,

Márcia BruncaMárcia Regina Brunca Garcia ingressou no DAEE no ano de 2004 como estagiária na área de Outorgas de Recursos Hídricos, ainda quando cursava a Faculdade de Engenharia Civil, e também trabalhou nos Comitês de Bacias do Turvo/Grande e do Rio São José dos Dourados na área de Capacitação no Programa pelo Uso Racional da Água.

No ano de 2006 foi aprovada no Concurso do DAEE como Engenheira, onde atualmente é Assistente da Diretoria do Turvo/Grande, auxiliando nos Convênios DAEE e prefeituras e outras atividades desenvolvidas pela Diretoria da Bacia do Turvo/Grande em São José do Rio Preto. Acompanha e apoia sempre o Diretor da Unidade: Tokio Hirata em eventos, reuniões e compromissos da unidade.

Marcia é “pau pra toda obra”, pois podemos vê-la sempre participando de reuniões dos mais variados temas: RH, Informática, 5S, Comitês, etc. Enfim uma profissional jovem e muito dedicada que se dispõe a empenhar-se  sempre mais pela sua unidade de trabalho.

Além disto, também é muito conhecida na Diretoria da Bacia do Turvo Grande por fazer muito barulho e quando não está todos reclamam do silêncio no ambiente.

A Márcia é muito querida pelos colegas da BTG e está sempre disponível para ajudar as pessoas com os problemas do dia a dia, gosta de ouvir a apoiar.

Moradora da cidade de Nova Granada, distante 35 km de São José do Rio Preto, é casada há 03 anos e está no 5º mês de gravidez, aguardando a chegada da Yasmin em agosto de 2013.

Ser engenheira, com uma gama enorme de atividades, dedicar-se com profissionalismo ao seu trabalho e ser mãe é uma das tarefas árduas a Continue Reading Uma “engenheira do barulho” atuando na BTG/São José do Rio Preto: Márcia R.Brunca Garcia…

Uma servidora experiente gerenciando a Seção de Expediente da Chefia de Gabinete do DAEE – Katia Rossana de Oliveira.

20/03/2013 às 12:48 | Publicado em Sem categoria | 1 comentário
Tags: ,

OLYMPUS DIGITAL CAMERAKatia Rossana de Oliveira admitida no DAEE em 14/08/1978, aos 18 anos de idade, conta com desenvoltura sobre sua trajetória. Inicialmente, atuou com Dr. Salomão Szulman na antiga DP – Diretoria de Planejamento e Controle.

Mais tarde, foi trabalhar no Setor de Águas Subterrâneas (SAT), onde Dr. Ivanir Borella Mariano era o responsável pela área, e lá ficou por muitos anos até extinção da unidade “com a chegada do governo Montoro”.   “Ali foi um período de grande aprendizado”, comenta Kátia e explica que teve a oportunidade de conhecer profundamente a engenharia no DAEE: serviços de perfuração de poços, cadastramento de recursos hídricos, enfim.

Na SAT/Águas Subterrâneas, iniciou a montagem de um centro aerofotogramétrico, junção de documentos de imagens aéreas de satélite, fotografias aéreas, cuja finalidade era realizar o recadastramento de poços no estado de São Paulo. Na área, o grupo era muito unido e a maioria eram engenheiros, os quais cita no geral com carinho, temendo não conseguir registrar o nome de todos: José Eduardo Campos, Reinaldo de Jesus Passerini, Antônio Carlos Bertachini e João Roberto Scavazza (os dois últimos desligados desde 1982). Este Setor de Documentação da SAT lhe trouxe a oportunidade de colocar em prática o aprendizado de sua formação – Biblioteconomia, que cursou junto a FESPSP (Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo); na ocasião, subordinada a Sra. Julce Mary Cornelsen (desligada do DAEE em 1983), e menciona que esta foi sua “grande professora no DAEE”. Kátia conta que Biblioteconomia foi um curso muito bem escolhido porque lhe trouxe grande satisfação pessoal.

Desde jovem, filha de pais separados, sempre teve que lutar para conseguir seu espaço Continue Reading Uma servidora experiente gerenciando a Seção de Expediente da Chefia de Gabinete do DAEE – Katia Rossana de Oliveira….

Uma homenagem da Equipe do RHPS a uma assistente social que gosta do que faz: Maria Silvia Barrozo.

18/03/2013 às 19:34 | Publicado em Sem categoria | 8 Comentários
Tags: , ,

silvia (1)Como uma das administradoras deste blog, sempre primei pelo ato de servir ao DAEE e o seu quadro de servidores, afinal é pra isto que aqui estou e também é isto que gosto de fazer.

Funcionária desde 1977, hoje atuando como assistente social da DHU/RHPS, optei por não fazer uma entrevista minha, afinal todos já me conhecem, achando ainda que não seria ético. Alias pequei porque inclusive ninguém da equipe tem post neste blog apesar da importância do serviço que realizam para o DAEE.

Porém repensando e após um pedido da equipe do RHPS- Serviço Técnico Social, a qual fiquei lisonjeada, guardei este texto por mais de 01 ano, preferindo agradecer mas não publicar. Neste mês de homenagem as mulheres profissionais, onde publicamos vários posts sobre mulheres do DAEE, a equipe do RHPS  pede novamente para que seja publicado, afinal outras pessoas também enviam texto com suas sugestões que nós acatamos e publicamos.

Segue o texto da equipe do RHPS, uma  homenagem como eles mesmo dizem. Destaco que não há motivos para badalações ou adulações, o texto é sincero e desprovido de desinteresse, pois todos que atuam no RHPS são felizes e competentes naquilo que fazem, dispostos, cheios de energia e entusiamo (em grego ter Deus dentro de você), não necessitando deste tipo de coisa.

Segue texto, “sem cortes”. (risos) e com muito orgulho de quem se sente parte de uma equipe com pessoas super profissionais e muito amigas (os) também, isto faz realmente a diferença.

Uma visão da Equipe RHPS:  

Maria Silvia Barrozo,  funcionária que, de fato,  “veste a camisa do DAEE”. Admitida em Novembro/1977, ainda “menina”, aos 16 anos,  como servidora junto ao CTH, já nos contou que  teve a oportunidade de lidar com pessoas incríveis, outras “difíceis”, mas que  todas   contribuíram, a seu modo, com a evolução da sua história por aqui. Este local (CTH) foi muito importante dando uma diretriz e forma ao seu jeito de trabalhar.   Continue Reading Uma homenagem da Equipe do RHPS a uma assistente social que gosta do que faz: Maria Silvia Barrozo….

Grupo de Caminhada e Relaxamento com participantes da Terceira Idade no Parque Ecológico do Tietê.

14/03/2013 às 17:22 | Publicado em PET - Serviços Oferecidos | Deixe um comentário
Tags: ,

Tendo em vista uma necessidade governamental da Secretaria de Planejamento do Governo do Estado de São Paulo, que anualmente levanta dados sobre atividades desenvolvidas pelos órgãos públicos voltados aos idosos, levantamos casualmente o histórico abaixo de um trabalho feito há mais de 19 anos pela área de Educação Ambiental do Parque Ecológico do Tietê, visando à melhoria da qualidade de vida e manutenção da autonomia do grupo de terceira idade que acompanha este trabalho desde 1994.

O relato abaixo é do Eng. Fernando Antônio Pinto Teixeira – Coordenador do Centro de Educação Ambiental do Parque Ecológico do Tietê/PET – Núcleo Eng. Goulart – e-mail: ceapet@daee.sp.gov.br, situado na Rua Guira Acangatara, 7- – Penha, São Paulo – fone 6958 1450 e 6958 1477.

O trabalho em questão é o do Grupo de Caminhada e Relaxamento realizado no PET. 

No final de 1994 a direção do Parque Ecológico do Tietê reuniu todos os setores que, na época, desenvolviam atividades junto à população para instruir que, com a mudança de governo que haveria no ano seguinte, ter-se-ia como meta de governo o favorecimento do público idoso. Na oportunidade solicitou que os setores se mobilizassem com intuito de adequar as atividades desenvolvidas para esse público. Especificamente ao Setor de Educação Ambiental, sensível a essa meta, a direção do Parque solicitou que fosse organizado um grupo regular de freqüentadores idosos.

Em janeiro de 1995 iniciou-se um programa de caminhada e relaxamento, com aproximadamente doze idosos inscritos, objetivando a formação do grupo, Continue Reading Grupo de Caminhada e Relaxamento com participantes da Terceira Idade no Parque Ecológico do Tietê….

Uma bibliotecária a frente da CADA/DAEE – Comissão de Avaliação de Documentos e Acesso – Patrícia Regina Vieira de Almeida.

13/03/2013 às 17:20 | Publicado em Sem categoria | 2 Comentários
Tags: ,

Patricia 008Aproveitamos para entrevistar neste mês a Responsável  pela Área que está na coordenação do trabalho de organização de documentos de arquivo no estado todo: Patrícia – Bibliotecária esta a frente da CADA – Comissão e Avaliação de Documentos e Acesso no DAEE.

Ela foi admitida no DAEE em agosto de 1976 como escriturária aos 16 anos na Divisão de Materiais, antiga ADM na Seção de Contas de Fornecedores, trabalhando com o Sr. Sávio Jardim Arantes e subordinados ao Eng. Tokio Hirata e Dr. Takahashi, permaneceu nesta área sete anos.

Após,  foi trabalhar na Biblioteca Central do DAEE, uma vez que cursava a Faculdade de Biblioteconomia.  A Biblioteca era subordinada à SAT- Assessoria Técnica e a responsável era a Dra. Marly Mingione.

A área técnica de Documentação e Biblioteca, não tinha aporte financeiro necessário para efetuar todas as aquisições de livros e atualizar as muitas publicações nacionais e estrangeiras, tínhamos, também, as assinaturas de periódicos, LEX e de diversas doações e empréstimos entre Bibliotecas. O acervo da Biblioteca Central era muito rico na área de Engenharia e Recursos Hídricos, e com o passar dos anos passou a ter muitas obras jurídicas.  Segundo ela, infelizmente, os profissionais da área de documentação Técnica foram se desinteressando em pernamecer no setor por não terem uma carreira e também pela falta de investimento nos setores de aerofotogrametria, relatórios técnicos e mapotecas.

No Setor de Documentação e Biblioteca trabalhou com a Kátia Rossana, Cleide Regina Hee, Maria Odete, Maria Luiza, Satiko Morita, Lucy Elene Ferraro, Bernadete Leite, Angela Pereira de Souza, Kinue Saito, Zuleide, Denise G. do Amaral,  algumas delas ainda em atuação no DAEE .

Em 1988, nasceu sua primeira filha e, em 1990 o filho. A menina chegou a ficar na creche Continue Reading Uma bibliotecária a frente da CADA/DAEE – Comissão de Avaliação de Documentos e Acesso – Patrícia Regina Vieira de Almeida….

« Página anteriorPróxima Página »

Get a free blog at WordPress.com | Theme: Pool by Borja Fernandez.
Entries e comentários feeds.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.